14270510678_ae20319a32_o-1024x586
???????????????????????????????????????????????????

Breno Pietracci é coautor desse estudo

O Brasil vive uma oportunidade única diante dos desafios globais para redução das emissões de carbono e em direção às energias renováveis e ao uso mais eficiente da terra. Após a introdução de veículos de combustível flex (que podem funcionar tanto com álcool quanto com gasolina) e o subsequente salto na demanda por etanol, a indústria da cana-de-açúcar disparou no país na última década. Entre 2005 e 2012, a área cultivada aumentou em 70%, quadruplicando no estado do Mato Grosso do Sul, que é uma importante fronteira agrícola para a expansão dessa cultura. Analistas estimam que essa expansão continuará pelos próximos dez anos, crescendo 37%.

Atualmente, o Brasil é o maior produtor de cana, o primeiro do mundo também na produção e exportação de açúcar e o segundo maior produtor e exportador de etanol. Apesar do grande investimento e crescimento destes produtos, há poucos estudos a respeito do impacto das usinas nas áreas rurais onde estão instaladas. No entanto, um melhor entendimento sobre os efeitos econômicos das usinas é necessário para que tomadores de decisão e atores envolvidos definam políticas econômicas, ambientais e energéticas efetivas.

Este documento resume o novo estudo realizado pelo Climate Policy Initiative da PUC-Rio (CPI/PUC-Rio), no âmbito do projeto INPUT. Ele traz dados importantes sobre o alcance e o impacto da expansão das usinas de cana-de-açúcar sobre o uso da terra, crescimento
econômico, demografia, mercado de trabalho e serviços financeiros em municípios do Mato Grosso do Sul.

DESTAQUES
  • O estudo revelou o quão profundamente estas usinas remodelaram a estrutura econômica dos municípios onde estão situadas.
  • Um município típico do estudo registrou aumento anual do PIB de 30% em três anos.
  • A chegada das usinas induziu uma alteração de uso da terra, principalmente de áreas de pastagens para cana-de-açúcar.
  • Muitos impactos positivos foram documentados na produção agrícola, no mercado de trabalho e no fluxo de recursos financeiros, além da redução do desmatamento.
up

Usamos cookies para personalizar o conteúdo por idioma preferido e para analisar o tráfego do site. Consulte nossa política de privacidade para obter mais informações.